Loading...

AMOSTRADORES PASSIVOS   Perguntas e Respostas

AMOSTRADORES PASSIVOS   Perguntas e Respostas

Amostragem passiva de vapores trata-se de uma modalidade de amostragem que se baseia na utilização de um material adsorvente que faz a retenção dos contaminantes presentes no solo na fase vapor e sem a necessidade de vácuo ou bombas de amostragem. Dessa forma, os contaminantes migram da matriz vapor e ficam adsorvidos na superfície de retenção do amostrador.

Atualmente, a principal utilização dos amostradores passivos no Brasil é a investigação do tipo varredura (screening), principalmente em áreas onde se tem dúvida da existência de áreas fontes de compostos voláteis não previstas. Históricos de utilização mal descritos ou áreas industriais alugadas, onde os registros são escassos, necessitam fortemente de uma investigação de áreas fontes do tipo screening.

Além de ser uma metodologia muito mais sensível, chegando a quantificações em ng, o que seria próximo a um nível de ppbv em concentração, ou ug/m3. É possível também a identificação dos contaminantes, ou seja, a identificação específica de cada composto e não dividida em classes como clorados ou hidrocarbonetos. Com esta metodologia, é possível a identificação e a quantificação de mais de 60 compostos orgânicos diferentes.

De forma geral, os amostradores passivos ficam expostos de 7 a 14 dias no local e, assim, também ganham um diferencial frente a técnica SGS convencional na identificação da contaminação, mesmo com as variações ambientais temporais, pois a avaliação por amostradores passivos é feita em dias e não em um curtíssimo espaço de tempo.

A técnica SGS convencional não perde sua utilização quando bem aplicada, porém, a investigação por amostradores passivos é um tipo de screening mais refinado e essencial.

Uma dúvida muito frequente, porém bastante discutível. Os amostradores passivos podem reportar resultados tanto em massa como em concentração. Porém, cabe ressaltar que a concentração é obtida por cálculos utilizando diversas variáveis e parâmetros, teóricos e/ou obtidos empiricamente.

O cálculo da concentração é feito por uma taxa de amostragem volumétrica conhecida por uptake rate. O uptake rate quando obtido teoricamente é determinado por dados de literatura das características dos vapores para condições ideais e fixas e quando determinadas empiricamente as condições são específicas do site.

A disponibilidade de ar e sua renovação é essencial para que a determinação das concentrações obtidas por uptake rate sejam exatas e precisas. Desta forma, a aplicação desse cálculo para concentrações em ar ambiente acaba sendo normalmente muito mais precisa que para vapores coletados em solo ou no subslab. Quando se têm todas as medições das variáveis de campo bem feitas e registradas os resultados de concentração pela amostragem passiva, através do cálculo de uptake rate, podem ser utilizados adequadamente como mais uma evidência da avaliação de risco de vapores em ar ambiente.

A substituição de amostragens ativas, como a USEPA TO-15 e USEPA TO-17, pela amostragem passiva pode ser um tanto equivocada, principalmente quando se trata de avaliação de risco, pois no solo temos diversas variáveis e parâmetros difíceis de mensurar, que inclusive podem variar de campo para campo, para o cálculo de uma concentração de uptake rate da amostragem passiva, e as técnicas de amostragem de TO-15 e TO-17 são muito mais bem controladas e as metodologias de análise mais consolidadas.

Para o órgão ambiental e os consultores esse tipo de investigação é uma ferramenta poderosa para a identificação de áreas fontes, principalmente em áreas onde se há dúvidas de contaminações de voláteis. Trata-se de uma nova linha de evidência para a existência ou não de fontes relevantes nas áreas em avaliação trazendo uma melhor eficiência em toda as etapas da investigação.

Os proprietários e gestores das indústrias terão maior precisão e maior definição das áreas que precisam necessariamente de uma intervenção. Sabendo com exatidão onde estão as áreas fontes. Os processos de intervenção ficam muito mais eficientes, ganhando rapidez e economia